Descartes deu o mote. A filosofia deste deste espaço é antes de mais dedicado ao sonho, às duvidas existênciais à escrita e ao prazer da leitura, um blog onde a actualidade não pode deixar de estar presente.



translator 翻訳 Переводчик

C V - Contador de visitas

contador de visitas para blog

Contra a Nokia marchar, marchar.

A incerteza que vivemos actualmente é grande, quanto ao nosso futuro enquanto povo civilizado. Esta situação deve-se em grande parte a medidas negligenciadas durante anos e que nos conduziram aqui, exponênciada nos últimos tempos pela pressão exagerada por parte dos mercados (deve ler-se especuladores/ agências de raiting ) exercendo sobre nós, que somos uma economia frágil, completamente exposta devido aos mecanismos Europeus, sobre nós e sobre os países periféricos da Europa, incluindo sobre os nossos vizinhos Espanhóis, que se encontram igualmente debaixo de fogo cerrado… isto dá que pensar, mas sobretudo para onde é que o mundo caminha, ao ver os mais ricos a esmagar os mais pobres.

A recente a posição assumida pelo povo Finlandês, recusando ajudar-nos, revela-se como uma enorme decepção para quem tinha o sonho da Europa, como um todo, uma enorme federação, congregando interesses comuns e não um saco de gatos, sendo cada um por si… como afinal se vê.

E com isto, temos que aprender… de uma vez por todas







Assim e para que esses países por seu lado aprendam também alguma coisinha com tudo isto , sugiro que tomemos colectivamente as seguintes medidas:


PARA COMEÇAR , UMA IDEIA BEM SIMPLES:

- E QUE TAL, COMPRAR APENAS O QUE É FEITO EM PORTUGAL


Depois disso e porque todos sabemos que há sempre quem não se importe, mais duas ou três dicas, a saber:

- A pensar nos nossos amigos Finlandeses, que tal apertar onde lhes doí mais. A Nokia é uma das suas principais empresas exportadoras, sugiro que já que gostamos tanto de telemóveis, deixemos de comprar essa marca .

- Para os nossos amigos Alemães que também ajudaram à festa, contribuindo sobre maneira para agravar a situação em que hoje nos encontramos, sendo eles os principais beneficiários das nossas extravagâncias excêntricas e milionárias com alguns dos Portugueses os brindam; pois adoramos brincar aos submarinos e carros de altíssima gama para dar status Social (Mercedes, BMW , etc. etc...) sugiro que se pensemos várias vezes antes de comprarmos esses produtos.

- E por fim para que a lista não fique demasiado longa e cansativa, uma palavra aos nossos amigos Americanos, também lhes arranjo uma boa mão cheia de produtos que poderíamos facilmente prescindir... a começar pelos seus fantásticos produtos financeiros que se encontram ao serviço de interesses estranhos… (Não vou citar marcar para não os aborrecer mais... são quase todas)

Ao pensar neste texto, ocorreram-me algumas ideias…

Sabiam que em 2009 nós criamos um carro desportivo de luxo ao nível da Porche, chama-se Vinci GT … Criado por empresas nacionais e massa cinzenta nacional da melhor...




Neste caso sugeria que se desenvolvesse a ideia, não apenas para ser um carro só para alguns, mas que se produzisse em quantidade e desenvolver algo mais económico para um segmento médio ou mesmo mais baixo, que se não tivesse outros atributos, certamente colocaria o nosso astral bem mais alto, se mais não fosse dava para os Portugueses andarem, em vez de vermos constantemente o nosso dinheiro ir parar sempre aos bolsos dos mesmo. (Franceses, Alemães, Suecos, Americanos e Japoneses... etc etc)

Não compreendo como um povo como nós se deixa cair na teia montada pelas grandes economias que mais não fazem que defender os seus interesses, que durante anos pagaram fortunas em forma de subsídios para que deixássemos de produzir, pagaram para deixarmos de produzir leite, incentivaram o abate da nossa frota pesqueira etc etc… eu sei lá quantas asneiras fizemos para chegar aqui neste momento da história e termos que andar de mão estendida.

E agora o que é que vamos fazer?

Ainda estamos a tempo de inverter este estado de coisas, é preciso por uma vez fazer alguma coisa, por mais simples que seja. E que tal começar por trabalhar um bocadinho...

É urgente sujar as mãos, criar trabalho produzir seja o que for, é urgente ver o povo a trabalhar em vez de viverem de ajudas e subsídios e por uma vez pensarmos em nós e nos nossos filhos.


Já chega de nos chamarem malandros... equiparando-nos a marroquinos.

Fiquem bem e tenham uma boa Páscoa
António Gallobar





5 comentários:

  1. Obrigada! Bom final de semana. Voltarei com mais tempo. Beijos

    ResponderEliminar
  2. António,

    Um texto excelente e muito coerente.


    Obrigada pelos votos de Páscoa que retribuo de coração. Que a Paz, O amor e a Esperança sejam sempre a luz que jamais se extinga em nossos corações. Feliz semana!

    Beijos com carinho.

    ResponderEliminar
  3. SOS INCREIBLEMENTE CLARO,ME LLEGA TANTO LA RAZON,COMO LA IDEOLOGÍA DE LA RAZON,EN CADA VERBO LLENO DE POESÍA!COMPARTIMOS,MUCHO,AUN CUANDO ESTE MAS ALLA,LEJOS!
    UN ABRAZO ENORME,BESOS
    PASA POR MI BLOG,
    LIDIA-LA ESCRIBA

    htttp://www.deloquenosehabla.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. muchas gracias por tu comentario en mi blog!
    mil gracias!
    un abrazo a traves delas aguas
    lidia-la escriba
    http://www.deloquenosehabla.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. E também temos um telefone movel feito em Portugal, com dois cartões. As operadoras destestam-no e fazem-lhe guerra!!!

    ResponderEliminar

Contacto por correio electrónico

Antoniogallobar@sapo.pt