Descartes deu o mote. A filosofia deste deste espaço é antes de mais dedicado ao sonho, às duvidas existênciais à escrita e ao prazer da leitura, um blog onde a actualidade não pode deixar de estar presente.



translator 翻訳 Переводчик

C V - Contador de visitas

contador de visitas para blog

Atlântida, dos mitos à realidade

.
.
.
Egipto esse fascinante ninho de cultura ancestral
.
.
.




.
.

.Ir ver as Pirâmides de Gizé e ficar pensando nos quantos segredos guardarão ainda este reduto da humanidade, que como guardiões do tempo perdido permanecem como um dos últimos bastiões do que nos resta desvendar, os nossos filhos ainda terão um longo caminho a percorrer certamente.

Desde os tempos de Platão, que muitos homens se interrogam, sobre as origens dos que nos precederam, as civilizações Egípcia e Maia, fazem com que a imaginação funcione e nos deixe de boca aberta frente a tanta cultura que encerram, se pensarmos que antes de nós havia apenas bárbaros, quando só nos últimos séculos é que a humanidade reconheceu que a terra é redonda e não plana (como os nossos bravos marinheiros provaram definitivamente ao mundo) e que a terra gira em volta do Sol e não somos em ultima estancia o centro do mundo mas parte integrante dele, integrados numa galáxia com milhões de estrelas e planetas. Quantos morreram na fogueira por questionar estas e muitas outras interrogações que hoje aceitamos mas que Galileu Galilei por exemplo quase pagou com a vida se não se retratasse publicamente perante a Igreja que chamava de heresias estes pensamentos científicos, em plena idade média mergulhada no mais profundo obscurantismo ode a terra era o centro do universo.

Como aceitar então a existência de povos pré-diluvianos, há dezenas de milhares de anos que se dedicaram ao estudo de variadíssimas artes entre as quais a astronomia e matemáticas entre muitas outras têm um papel determinante, como provam os calendários incrivelmente rigorosos dos Maias com um calendário de 365, 242 129 dias no ano que se baseava na observação e movimentação dos astros, nas suas orbitas nos tempos de rotação dos planetas. O nosso calendário Gregoriano com 365, 242 500 dias no ano, é mais impreciso que o calendário Maia pois este está mais próximo do Cálculo denominado Sideral com 365, 242 198 dias no ano para além do nosso calendário ter que ser corrigido de quatro em quatro anos acrescentando mais um dia passando a ter um ano bissexto, portanto com 366 dias. Olhando para o legado que é hoje em dia a civilização Egípcia e Maia a par da Hindu ou mesmo a Helénica, não será caso para dizer onde foram estes nossos antepassados em particular os Egípcios os Incas, Astecas ou Maias buscar tanta cultura e informação, tão afastados uma das outras, em continentes diferentes, mais ou menos 3.000 anos a.C. Isso demonstra algumas coisas como há frente veremos.

A chave de todo este mistério não terá a ver com uma civilização ancestral, denominada “Atlântida” que Platão em seus estudos refere, como sendo uma vasta ilha no meio do mar onde os homens falavam uma só língua e se dedicavam às artes e às ciências. Como fiéis seguidores do ver para crer, achamos mais cómodo ignorar evidências em vez de inquietarmos o nosso espírito com perguntas às quais não queremos acreditar e motivadoras de alguma inquietação.

A falta de explicações causam-me grande desassossego, muitos relatos e lendas dizem que no meio do atlântico existiu desde há muitos milhões de anos um enorme continente que eventualmente terá sido engolido pelas águas oceânicas há cerca de dez mil anos apenas, provas provas são até aos nossos dias desconhecidas o que existe são relatos nos livros sagrados, alguns mitos e sobretudo muitas lendas, um pouco por todo lado nas civilizações existentes que hoje conhecemos, muitos desses relatos que nos falam de um grande acontecimento catastrófico que limpou da face da terra uma civilização muito mais evoluída do que a que temos hoje, que dominava o espaço as tecnologias e as ciências em geral havendo inúmeras descrições de guerras fratricidas com recurso a grande armamento bélico, inclusive raios que tudo destruíam, para além do lado bélica desses povos, o seu estádio evolutivo encontrava-se muito acima do que algum dia se poderá pensar, possuíam electricidade e misturavam os metais produzindo novas ligas, ainda hoje existe um tipo de ferro que não oxida, encontrado na cidade de Deli, datado com mais de 3.800 anos, o grau de dificuldade em se conseguir hoje com toda a tecnologia que dispomos é reconhecida, como pode ser tão antiga., para não falar já de fusão de pedras e moldagem a gosto.

Sabemos que os Himalaias são relativamente jovens, oito ou nove mil anos, como é que repentinamente cresce a maior montanha á face da terra assim abruptamente, será quase sem mais nem menos, como é possível encontrar no cimo da cordilheira dos Andes, o lago Titicaca com agua salgada a 3.800 metros de altitude onde se pode encontrar postes e argola para amarrar navios de grande envergadura tudo isto a mais de trezentos quilómetros do oceano Pacifico, fruto de grandes movimentações na crosta terrestre, não terá sido a submersão desse enorme continente que provocou inundações aniquilando o vida no planeta, ver relato que a bíblia fala, apenas sobrevivendo núcleos dos que conseguiram fugir para as montanhas uns para leste outros para Oeste. Será isto possível e plausível de ter acontecido?

Aqui chegados é fácil compreender como é que os Egípcios e os Maias aprenderam tanto numa altura em que não seria suposto, esta pergunta tem-me inquietado o espírito pois estou convencido que a Atlântida existiu mesmo. Há muita literatura espalhada pelo mundo, assim como muitas lendas e mitos que nos falam disso como sendo mais avançada do que a nossa, a avaliar pelas evidências, dominavam o nuclear, tinham máquinas que cruzavam os oceanos máquinas capazes de cruzar galáxias. Saber discernir onde acaba a realidade e começa a ficção é quase uma missão impossível as provas dizem os Atlântologos está dentro das pirâmides que continuam sendo o garante de que ainda nem tudo estará perdido e que ainda temos um grande caminho a percorrer.

A raça humana tende a saber sempre mais a evoluir mas também tende a oprimir e escravizar os povos vizinhos envolvendo-se em guerras fratricidas, isto passa-se hoje ou há 10.000 anos atrás, porque será que acho que já ouvi isto?

Mito ou realidade? Não me custa nada acreditar que os aparecimentos de civilizações com filosofias semelhantes tenham surgido tanto a oriente como a ocidente, provam que a origem teria sido precisamente no meio do atlântico, citando Platão no qual os Açores e as Canárias eram os pontos mais altos das montanhas.

Para mim o que aconteceu depois desse acontecimento trágico é prova suficiente desse mesmo facto. A civilização Egípcia diz-me isso que tinham os seus deuses que vinham do mar ou pelo ar dentro de fatos parecidos com olho de peixe a quem chamavam Deuses ou Homens Semi-Deuses tal era o conhecimento que traziam, vinham de vez em quando ensinar a esses povos rudimentos de agricultura, escrita, matemáticas, astronomia, a forma de organizarem as cidades, etc. Etc. etc. A forma como foram construídas as pirâmides por exemplo ainda hoje se divide as opiniões de como foram construídas e qual a formula matemática quase um mistério para a ciência, há dificuldade em compreender matematicamente esses cálculos que nos deixam de boca aberta. Uma das maiores perdas de conhecimento da humanidade tem a ver com a perda da Biblioteca de Alexandria pelo império Romano, segundo dizem demorou mais de uma semana a arder onde estavam guardados o maior tesouro da humanidade o legado o conhecimento que tínhamos o direito a ter as que nos foi negado por loucos.

Se existir nos nossos dias uma guerra atómica entre as nações, capaz de destruir a humanidade quem sobreviveria? Como iríamos preservar os conhecimentos que temos, terá a humanidade que voltar a ter que percorrer novamente o mesmo caminho. Certamente se isso um dia acontece-se só algumas nações poderiam sobreviver, quem possuísse bases no espaço ou nos mais recônditos e remotos pontos da terra, como nos Himalaias nos andes ou então na lua aí talvez os Americanos poderiam representar o povo extinto Atlante.

Poderia continuar aqui dando muitos mais exemplos, mas para não ser cansativo fico por aqui, pedindo naturalmente desculpa por qualquer imprecisão que acho natural dado o vasto leque de disciplinas que abrange este tema.

Espero poder viver até ao dia em que alguém conseguirá provar isto, não sei mas aguardo sinceramente que um dia a humanidade arranje as explicações que eu e muita boa gente procura.




Principais fontes consultadas: 

"Larousse das Civilizações Antigas"
“Os segredos da Atlântida” de Andrew Tomas

2 comentários:

  1. Tema interessante
    Obrigado pela visita
    Hoje um pouco mais tarde mas nunca esquecida...

    Se sentires o perfume de jasmim...
    Ou qualquer coisa assim...
    Saiba é minha mensagem...
    Tentando te conquistar...
    Tentando te buscar...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  2. É um tema tão profundo como extenso e intrigante. Tema que também se confunde ciência e espiritualidade diversas. Há livros espiritas, práticas espirituais que não só narram a aparencia e modo de vida de Atlandida como são os " mestres espirituais" do que se afinaram com teorias, aceitando-as como fato real. Há inscrições rupestres em todo mundo, em lugares de dificil acesso, como por exemplo povos indigenas da Amazônia, onde se vê homens deuses com capacetes e roupas bem parecidas com a dos astronautas de hoje. Enfim, muitos indicios e mais ainda lendas e mitos....

    Excelente texto e pesquisa bem conduzida. Beijos

    ResponderEliminar

Contacto por correio electrónico

Antoniogallobar@sapo.pt