Descartes deu o mote. A filosofia deste deste espaço é antes de mais dedicado ao sonho, às duvidas existênciais à escrita e ao prazer da leitura, um blog onde a actualidade não pode deixar de estar presente.



translator 翻訳 Переводчик

Imagem retirada da net



Recebi por email  de um amigo esta CARTA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE, que vive no Porto, após ter assistido ao telejornal na RTP 1


Com o titulo INVERSÃO DE VALORES; aqui deixo seu texto integral para reflexão dos que por aqui passam.










INVERSÃO DE VALORES 
De mãe para mãe ...


Cara Senhora, vi o seu enérgico protesto diante das câmaras de televisão contra a transferência do seu filho, presidiário, das dependências da prisão de Custóias para outra dependência prisional em Lisboa.


Vi-a a queixar-se da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que vai passar a ter para o visitar, bem como de outros inconvenientes decorrentes dessa mesma transferência.


Vi também toda a cobertura que os jornalistas e repórteres deram a este facto, assim como vi que não só você, mas também outras mães na mesma situação, contam com o apoio de Comissões, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, etc ...


Eu também sou mãe e posso compreender o seu protesto. Quero com ele fazer coro, porque, como verá, também é enorme a distância que me separa do meu filho. A trabalhar e a ganhar pouco, tenho as mesmas dificuldades e despesas para o visitar. Com muito sacrifício, só o posso fazer aos domingos porque trabalho (inclusive aos sábados) para auxiliar no sustento e educação do resto da família.


Se você ainda não percebeu, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou cruelmente num assalto a uma bomba de combustível, onde ele, meu filho, trabalhava durante a noite para pagar os estudos e ajudar a família.


No próximo domingo, enquanto você estiver a abraçar e beijar o seu filho, eu estarei a visitar o meu e a depositar algumas flores na sua humilde campa, num cemitério dos arredores ...


Ah! Já me esquecia:  Pode ficar tranquila, que o Estado se encarregará de tirar parte do meu magro salário para custear o sustento do seu filho e, de novo, o colchão que ele queimou, pela segunda vez, na cadeia onde se encontrava a cumprir pena, por ser um criminoso.


No cemitério, ou na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante dessas "Entidades" que tanto a confortam, para me dar uma só palavra de conforto ou indicar-me quais "os meus direitos".


Para terminar, ainda como mãe, peço por favor:


Façam circular este manifesto ! Talvez se consiga acabar com esta (falta de vergonha) inversão de valores que assola Portugal e não só ... Direitos humanos só deveriam ser para "humanos direitos" !!!









2 comentários:

  1. Gallobar,
    Essa carta de mãe para mãe poderia muito bem ter sido escrita aqui no Brasil. Não é diferente como se tratam os presidiários daqui com "direitos" melhores e mais específicos do que se tratam as vítimas e parentes destas. Parece que a inversão de valores é um fato que assola nossas nações irmãs. Só tenho que lamentar tal fato. Parabéns pela postagem, JAIR.

    ResponderEliminar
  2. Caro António,
    Desconhecia esse manifesto, mas subscrevo! Há uma completa inversão de valores a todos os níveis...

    Abraço

    ResponderEliminar

Contacto por correio electrónico

Antoniogallobar@sapo.pt